Dados da mineração assustam população de Campo Alegre de Lourdes

10:34 - Não comentado

Audiência Pública em Campo Alegre de Lourdes acende o alerta da população sobre os efeitos negativos da mineração e outros problemas ambientais e questiona a viabilidade da implantação da mineração na região, destacando a necessidade de maior responsabilidade dos órgãos de licenciamento e fiscalização, reestruturação do Conselho de Meio Ambiente, e discussão e implantação de política ambiental municipal.

A Audiência aconteceu no dia 15 de julho, reunindo 80 trabalhadores representando as comunidades das 16 regiões do município, associações de fundo de pasto, sindicato dos Trabalhadores Rurais, a Articulação Sindical do Lago de Sobradinho, a Paróquia Nossa Senhora de Lourdes e Comissão Pastoral da Terra (CPT). Participaram também dois representantes do Poder Executivo e Legislativo local.

Na reunião foram apresentados os dados levantados pela CPT sobre as questões ambientais que estão preocupando os camponeses e camponesas, sendo mais assustador a mineração, visto que 82,39% da área do município, segundo dados do Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM), está sendo pleiteada para a exploração mineraria com autorizações ou requerimento de pesquisa.

Os impactos da mineração já são conhecidos na região, principalmente, na Comunidade de Angico Dias que vem enfrentando a presença da Mineradora Galvani para exploração de fosfato em seu território há mais de seis anos. Nesta comunidade, a Galvani vem provocando sérios danos sócio-culturais e ambientais, a saber: poluição da água, problemas de saúde, além de impedir a continuidade das práticas culturais e as atividades econômicas (agricultura e pecuária) dos/as trabalhadores/as da comunidade.

Os presentes questionaram a viabilidade da implantação da mineração diante dos impactos sócio-ambientais previstos. Além disso, solicitou-se do Poder Público Municipal medidas diante do atual quadro já sinalizado pelos dados do DNPM. Ao final da reunião foi estabelecido um calendário de ação que inclui diagnóstico dos impactos causados pela mineradora Galvani em Angico dos Dias para discutir com a comunidade e cobrar da empresa e dos órgãos de licenciamento e fiscalização suas responsabilidades; reestruturação do Conselho de Meio Ambiente; discussão e implantação de política ambiental municipal priorizando emergencialmente a proteção do Morro do Tuiuiú, que é um dos patrimônios ambientais da comunidade atualmente ameaçado por uma empresa canadense.

Também foi criada uma Comissão com representação do Poder Público e das organizações que atuam no município para desencadear o processo de discussão da política ambiental priorizando emergencialmente a proteção do Morro do Tuiuiú.

A audiência, provocada pela Paróquia Nossa Senhora de Lourdes e CPT Juazeiro, integrou a programação da Assembléia de Trabalhadores e Trabalhadoras realizada nos dia 15 e 16 de julho.

Fonte:  http://www.cptba.org.br

  • Compartilhe este post:

Administração

Pastoral da Comunicação - Paróquia Nossa Senhora do Rosário, Remanso/BA - Diocese de Juazeiro/BA

Recent Posts

0 comentários:

ATENÇÃO:

Deixe aqui seu comentário. Fique à vontade para opinar ou somente dizer o que achou do artigo!

Proibido deixar dados pessoais como Email, MSN, Telefone, Endereço, etc.
Por favor não use palavras agressivas.
Não faça Spam.

Boletim informativo

Cadastre-se agora para receber as últimas notícias de nosso site!

Powered by Blogger.
back to top