“Do mundo, preocupa-me a desproporção econômica: que um pequeno grupo da humanidade tenha mais de 80% da riqueza”. Entrevista com o Papa Francisco

11:25 - Não comentado




Na última sexta-feira (20/01), o papa Francisco concedeu uma longa entrevista ao jornal espanhol El País, onde falou sobre a ameaça que é vivermos uma Igreja anestesiada, sobre o papa emérito Bento XVI, sobre a Igreja e o cenário político e econômico mundial, o drama dos migrantes, entre outros temas. Sobre a Igreja afirmou: “o problema que sempre existe na Igreja é que não haja proximidade. E proximidade significa tocar, tocar no próximo a carne de Cristo”. Já sobre o cenário mundial não titubeou e disse: “Do mundo, preocupa-me a desproporção econômica: que um pequeno grupo da humanidade tenha mais de 80% da riqueza, com o que isso significa na economia líquida, onde no centro do sistema econômico está o deus dinheiro e não o homem e a mulher, o humano! Assim, cria-se essa cultura de que tudo é descartável”.

Francisco disse também que a missão da Igreja é viver e pregar o Evangelho, não de maneira abstrata, mas de modo concreto. “É curioso: a história da Igreja não foi levada adiante por teólogos, padres, freiras nem bispos…sim, em parte sim, mas os verdadeiros protagonistas da história da Igreja são os santos. Ou seja, aqueles homens e mulheres que deram a vida para que o Evangelho fosse concreto. São eles que nos salvaram: os santos”.

Sobre os meios de comunicação, o papa Francisco falou que não assisti televisão há mais de 25 anos e que isso não lhe faz falta. Porém, reafirmou a importância da comunicação, lembrando, no entanto, a sua preocupação “quando os meios de comunicação não podem se expressar com a ética que lhes é própria”. A comunicação não pode recolher as pessoas no mundo virtual, mas pelo contrário ela só se torna plena quando há contato físico. “O mundo virtual da comunicação é muito rico, mas você corre o risco se não vive uma comunicação humana, normal, de tocar! O concreto da comunicação é o que fará que o virtual da comunicação siga pelo bom caminho. Ou seja, o concreto é inegociável em tudo”.

Quando falou da realidade atual da América Latina, o papa Francisco foi incisivo: “O problema é que a América Latina está sofrendo os efeitos – que ressaltei muito na Laudato Si de um sistema econômico que tem no seu centro o deus dinheiro, e então [esses países] caem em políticas de fortíssima exclusão. E então se sofre muito. E evidentemente hoje em dia a América Latina está sofrendo um forte embate de liberalismo econômico forte, desse que eu condeno na Evangeli Gaudium quando digo que “esta economia mata”. Mata de fome, mata de falta de cultura [...] Os sistemas liberais não dão possibilidades de trabalho e favorecem delinquências. Na nossa pátria temos uma palavra para qualificá-los: os cipayos [mercenários]. É uma palavra clássica, literária, que está em nosso poema nacional. O cipayo é aquele que vende a pátria à potência estrangeira que possa lhe dar mais benefício. E na nossa história Então a América Latina precisa se rearmar com formações de políticos que deem a força dos povos à América Latina”.

Quando foi questionado sobre o suposto papel da Teologia da Libertação na redução do número de fieis da Igreja, que acabaram migrando para outras confissões religiosas, o papa respondeu: “A teologia da liberação foi uma coisa positiva na América Latina. Foi condenada pelo Vaticano a parte que optou pela análise marxista da realidade. O cardeal Ratzinger fez duas instruções quando era prefeito da Doutrina da Fé. Uma, muito clara, sobre a análise marxista da realidade. E a segunda retomando aspectos positivos. A Teologia da Libertação teve aspectos positivos e também teve desvios, sobretudo na parte da análise marxista da realidade”.

Por fim, sobre o papel da mulher na Igreja disse: “O papel da mulher não deve ser buscado tanto pela funcionalidade, porque assim vamos acabar transformando a mulher, ou o movimento da mulher na Igreja, num machismo de saia. Não. É muito mais importante que uma reivindicação funcional. Mas a mim o que me interessa é que a mulher nos dê seu pensamento, porque a Igreja é feminina, é “a” Igreja, não é “o” Igreja, e é “a” esposa de Jesus Cristo, e esse é o fundamento teologal da mulher”.

Para ler a entrevista na íntegra é só acessar: http://www.padrescasados.org/archives/53598/53598/



PASCOM-Remanso, por Marcos Paulo.

  • Compartilhe este post:

Administração

Pastoral da Comunicação - Paróquia Nossa Senhora do Rosário, Remanso/BA - Diocese de Juazeiro/BA

Recent Posts

0 comentários:

ATENÇÃO:

Deixe aqui seu comentário. Fique à vontade para opinar ou somente dizer o que achou do artigo!

Proibido deixar dados pessoais como Email, MSN, Telefone, Endereço, etc.
Por favor não use palavras agressivas.
Não faça Spam.

Boletim informativo

Cadastre-se agora para receber as últimas notícias de nosso site!

Powered by Blogger.
back to top